A importância da Cipa

A importância da Cipa

A se­gu­ran­ça no am­bi­en­te de tra­ba­lho é uma pre­o­cu­pa­ção in­dis­pen­sá­vel, com­par­ti­lha­da por em­pre­ga­do­res e co­la­bo­ra­do­res. En­tre as me­di­das que de­vem ser im­ple­men­ta­das pa­ra ga­ran­tir o bem-es­tar dos tra­ba­lha­do­res e a di­mi­nu­i­ção de aci­den­tes es­tá a Cipa (Co­mis­são In­ter­na de Prevenção de Acidentes).

A Cipa é uma co­mis­são cu­jo in­tui­to é ze­lar pe­la se­gu­ran­ça no tra­ba­lho, evi­tan­do aci­den­tes e do­en­ças de­cor­ren­tes da atu­a­ção pro­fis­si­o­nal.

Is­so é re­a­li­za­do por meio da ob­ser­va­ção das con­di­ções no lo­cal de tra­ba­lho, pa­ra que pos­sam ser to­ma­das ati­tu­des pa­ra me­lho­rá-lo, mi­ni­mi­zan­do as chan­ces de pro­ble­mas acon­te­ce­rem. Além dis­so, a Cipa é um ins­tru­men­to de con­sci­en­ti­za­ção dos co­la­bo­ra­do­res.

A cri­a­ção da Cipa es­tá pre­vis­ta na nor­ma re­gu­la­men­ta­do­ra nú­me­ro 5 (NR5) do Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho. De acor­do com o tex­to, ela é obri­ga­tó­ria em qual­quer em­pre­sa com mais de 20 fun­cio­ná­rios, in­de­pen­den­te­men­te da área de atu­a­ção ou do ní­vel de ris­co exis­ten­te du­ran­te o exer­cí­cio do tra­ba­lho.

Pa­ra al­can­çar o ob­je­ti­vo de res­guar­dar a se­gu­ran­ça e a sa­ú­de dos tra­ba­lha­do­res, a Cipa tem uma lis­ta de atri­bu­i­ções a ser se­gui­da.

Es­tas são as prin­ci­pa­is:

1) iden­ti­fi­car os ris­cos do pro­ces­so de tra­ba­lho e ela­bo­rar o ma­pa de ris­cos, com a par­ti­ci­pa­ção do mai­or nú­me­ro de tra­ba­lha­do­res, com as­ses­so­ria do SESMT;

2) par­ti­ci­par da im­ple­men­ta­ção e do con­tro­le da qua­li­da­de das me­di­das de pre­ven­ção ne­ces­sá­rias, bem co­mo da ava­li­a­ção das pri­o­ri­da­des de ação nos lo­ca­is de tra­ba­lho;

3) di­vul­gar aos tra­ba­lha­do­res in­for­ma­ções re­la­ti­vas à se­gu­ran­ça e sa­ú­de no tra­ba­lho;

4) par­ti­ci­par, com o SESMT das dis­cus­sões pro­mo­vi­das pe­lo em­pre­ga­dor, pa­ra ava­li­ar os im­pac­tos de al­te­ra­ções no am­bi­en­te e pro­ces­so de tra­ba­lho re­la­ci­o­na­dos à se­gu­ran­ça e sa­ú­de dos tra­ba­lha­do­res;

5) par­ti­ci­par, em con­jun­to com o SESMT, ou com o em­pre­ga­dor da aná­li­se das cau­sas das do­en­ças e aci­den­tes de tra­ba­lho e pro­por me­di­das de so­lu­ção dos pro­ble­mas iden­ti­fi­ca­dos;

6) pro­mo­ver, anual­men­te, em con­jun­to com o SESMT, a Se­ma­na In­ter­na de Pre­ven­ção de Aci­den­tes do Tra­ba­lho – SI­PAT.

En­tre os prin­ci­pa­is be­ne­fí­ci­os da CI­PA, des­ta­ca­mos:

1) me­lho­ria das con­di­ções de tra­ba­lho;

2) re­du­ção do nú­me­ro de aci­den­tes;

3) mai­or con­for­mi­da­de com nor­mas e re­gu­la­men­tos;

4) au­men­to da cre­di­bi­li­da­de da em­pre­sa jun­to à so­ci­e­da­de;

5) me­lho­ria do cli­ma or­ga­ni­za­cio­nal: ain­da que se­ja uma ques­tão obri­ga­tó­ria, a im­ple­men­ta­ção da Cipa po­de trans­for­mar po­si­ti­va­men­te o am­bi­en­te de tra­ba­lho. Is­so se de­ve ao fa­to de os fun­cio­ná­rios se sen­ti­rem mais va­lo­ri­za­dos em re­la­ção à em­pre­sa;

6) au­men­to da pro­du­ti­vi­da­de: um am­bi­en­te de tra­ba­lho sa­u­dá­vel fa­vo­re­ce di­re­ta­men­te à pro­du­ti­vi­da­de dos fun­cio­ná­rios. Es­sa es­ta­bi­li­da­de po­si­ti­va é tão efi­caz quan­to às es­tra­té­gias de­sen­vol­vi­das pa­ra o au­men­to da pro­du­ti­vi­da­de das equi­pes. O mais in­te­res­san­te é que a em­pre­sa con­se­gue es­ses re­sul­ta­dos sem pre­ci­sar in­ves­tir gran­des quan­ti­as em pla­ne­ja­men­tos en­ge­nho­sos e cus­to­sos, e, sim, cum­prin­do nor­mas obri­ga­tó­ri­as);

7) Re­du­ção de cus­tos: ado­tar as re­gras da Cipa é ga­ran­tir a se­gu­ran­ça do tra­ba­lho — mais uma vez, sem pre­ci­sar im­pac­tar o cai­xa da em­pre­sa. No en­tan­to, a re­du­ção de cus­tos não se li­mi­ta a is­so. O ob­je­ti­vo da se­gu­ran­ça do tra­ba­lho é di­mi­nu­ir ao má­xi­mo os ris­cos de aci­den­tes e im­pre­vis­tos du­ran­te a exe­cu­ção das ati­vi­da­des em uma em­pre­sa. E, quan­do es­se ob­je­ti­vo é al­can­ça­do, a or­ga­ni­za­ção se be­ne­fi­cia, pois não per­de ne­nhum fun­cio­ná­rio por afas­ta­men­to, ates­ta­do etc., além de não ser pe­ga de sur­pre­sa por pro­ble­mas em su­as má­qui­nas e equi­pa­men­tos, pois a con­tí­nua ma­nu­ten­ção tam­bém faz par­te da me­to­do­lo­gia de se­gu­ran­ça;

8) for­ta­le­ci­men­to da cul­tu­ra de se­gu­ran­ça: por mais que uma em­pre­sa in­vis­ta em pa­les­tras ou trei­na­men­tos de se­gu­ran­ça, os re­sul­ta­dos só acon­te­cem re­al­men­te se os fun­cio­ná­rios en­ten­de­rem a im­por­tân­cia do que es­tá sen­do de­ba­ti­do.

Co­mo a Cipa, em sua mai­o­ria, é for­ma­da por tra­ba­lha­do­res, a dis­se­mi­na­ção e a acei­ta­ção das in­for­ma­ções são mais fá­ceis e ade­qua­das. Os par­ti­ci­pan­tes da co­mis­são po­dem e de­vem con­ver­sar com os seus co­le­gas e for­ta­le­cer a cul­tu­ra de se­gu­ran­ça en­tre to­dos, ga­ran­tin­do mai­or in­te­res­se e res­pal­do pa­ra a exis­tên­cia da Cipa.

En­fim, o ris­co de aci­den­tes é uma cons­tan­te no co­ti­dia­no de tra­ba­lho. A qua­li­da­de de vi­da dos tra­ba­lha­do­res é uma pre­o­cu­pa­ção fun­da­men­tal das or­ga­ni­za­ções que já con­quis­ta­ram ou es­tão em bus­ca de re­sul­ta­dos ca­da vez mais po­si­ti­vos. Ou se­ja, as­se­gu­rar a cor­re­ta im­ple­men­ta­ção da Cipa é uma das ma­nei­ras mais in­te­li­gen­tes não só de ga­ran­tir a se­gu­ran­ça dos pro­fis­si­o­nais, co­mo tam­bém de im­pul­si­o­nar a pro­du­ti­vi­da­de do seu ne­gó­cio.

A Cipa de­ve ser en­xer­ga­da co­mo um es­pa­ço pa­ra o cul­ti­vo de bo­as prá­ti­cas que di­mi­nuam a ex­po­si­ção dos tra­ba­lha­do­res a ris­cos. As­sim, ela co­la­bo­ra pa­ra uma me­lhor qua­li­da­de de vi­da dos co­la­bo­ra­do­res e um me­nor ín­di­ce de ab­sen­te­ís­mo em de­cor­rên­cia de fal­tas oca­si­o­na­das por aci­den­tes ou pro­ble­mas de sa­ú­de.

A prin­ci­pal cau­sa dos aci­den­tes de tra­ba­lho no Bra­sil ain­da é o des­cum­pri­men­to das nor­mas de pro­te­ção e con­di­ções ina­de­qua­das nos am­bi­en­tes la­bo­ra­ti­vos, que po­dem le­var a li­mi­ta­ções fí­si­cas per­ma­nen­tes ou, até mes­mo, à mor­te.

Por es­se mo­ti­vo, é de ex­tre­ma im­por­tân­cia que es­se tra­ba­lho de con­sci­en­ti­za­ção se­ja le­va­do a sé­rio, tan­to por em­pre­ga­do­res, quan­to por em­pre­ga­dos.

Participe do nosso Curso de CIPA. SAIBA MAIS AQUI

Deixe uma resposta

Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: